mercredi 18 mars 2009

hipocrisia na religião? => perda de credibilidade



o dia amanhece, o Sol tenta entrar
portas fechadas, que seja por frestas
eis que estou a me danar...
por ser mãe e amar?

julgada por homens em nome de Deus
desterrada de minha fé,
decepada no espírito
por ser mãe e mulher?

o que é ter um filho pra você, homem-deus?
grito e luto como dá
desobedeço a homens-deuses
pra dos males escolher o menor
e ao menos tentar estancar
a ferida nas entranhas de meu bem maior

que defeito horrível tem a mulher
decide deixar a alma aos diabos viventes
pra lutar pelo futuro do fruto de seu ventre
que já vive, sente; sente mais do que devia

os males impostos, a perdição duma instituição
e ainda há de esperar pelo milagre maior
da deusa mãe que nunca abandona

a deusa Esperança, mãe de qualquer criança
que cuide bem da mãe exilada no coração
pelo terrível pecado de amar tanto mais
que a razão do homem-deus pudesse suportar

5 commentaires:

TAIS MOREIRA a dit…

Gostei do texto, e adorei o desenho, é bem legal!!! Reflete o que acontece com muita gente que se diz "religiosa", enfim...Infelizmente, tem muita gente hipócrita nas igrejas, que se acham melhores do que todos, só porque vão à igreja, e por aí vai...¬¬"
Parabéns pelo blog!
Comente no meu, tb, ok?

http://taiscristinasworld.blogspot.com

Beijos

Gabriel a dit…

A mulher é o ser mais corajoso, mãe então a mais guerreira de todas.

Gosto da forma como você escreve, reflexiva.

Parabéns ;)

Nathália a dit…

mãe é mãe, né?
belo poema!

a charge também é ótima =)
beijos!

Marton Olympio a dit…

Poema é sempre complicado de avaliar.
Mas ali embaixo, no seu Blog, o continho Do Lar, achei uma delicia.
Muito bom mesmo.

É isso.


http://martonolympio.blogspot.com/2008/11/vida.html

blog a dit…

É desse tipo de cntundência que falo a meus alunos. Independentemente da qualidade textual, a honestidade fala mais alto. O texto é bom, direto, duro (para alguns), e vai ao cerne da questão que relativiza homens e Deus (ou deus).
É assim que tem de ser.
Sangüíneo.

F. Grijó